José Carlos Estêvão

Versão para impressão
estevao

curriculum lattes

 e-mail: jcestev@usp.br

Histórico Acadêmico

  • 2009 Livre-docência em Filosofia pela Universidade de São Paulo
    Título do trabalho: Pedro Abelardo: Ética ou Conhece-te a ti mesmo
  • 2002 Pós-doutorado pela École Normale Supérieure, rue d'Ulm. Paris, França
  • 1996 Doutorado em Filosofia pela Universidade de São Paulo
  • Título do trabalho: Sobre a liberdade em Guilherme de Ockham
  • 1990 Mestrado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Título do trabalho: A ética de Abelardo e o indivíduo
  • 1975 Bacharelado em Filosofia pela Universidade de São Paulo

Linha de Pesquisa

História da Filosofia Medieval
Nominalismo Medieval
Ética e Política Medieval
Recepção Medieval de Aristóteles
Recepção Medieval de Agostinho
Centro de Estudos de Filosofia Patrística e Medieval de São Paulo (CEPAME)
História da Filosofia Medieval e a Recepção da Filosofia Antiga
Grupo de Trabalho em Filosofia associado à Associação Nacional de Pós-Graduação em Filosofia (GT da ANPOF)

Pesquisa em desenvolvimento

Sobre a presença medieval de Agostinho
Descrição: A recepção medieval de Aristóteles sofre forte influência da leitura da obra de Agostinho. Ao mesmos tempo, modifica-se a maneira de compreendê-lo. Parece desenhar-se um "Agostinho medieval". Ou seja, um certo modo de manter presente a problemática e, muitas vezes, a letra de Agostinho, ainda que - por razões a serem discutidas - não seja comum comentá-lo textualmente. É provável que não se entenda Anselmo de Cantuária sem referência direta a Agostinho. A relação se torna mais elíptica, embora expressa, em Pedro Abelardo (como na "Teologia do sumo bem" e na "Ética"). É notoriamente reivindicada por autores como Henrique de Gand, João Duns Escoto e Guilherme de Ockham. Há também, ainda no século XIII, comentadores de Agostinho, como o dominicano Nicolau Trevet. Trata-se de buscar esboçar as diferentes figuras desta apropriação e indicar a intensidade do impacto conceitual decorrente. O trabalho compreendeu um estágio de pesquisa (FAPESP, 2017/21858-4) ligado ao seminário dirigido por Christophe Grellard (L'ignorance invincible et le problème de l'hétérodoxie. De Jean Gerson à Jean Nider) na École pratique des hautes études, Paris. 
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. 
Integrantes: José Carlos Estêvão - Coordenador / Gustavo Barreto Vilhena de Paiva - Integrante.
Financiador(es): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - Bolsa.

A recepção medieval de Aristóteles
Resumo: A recepção de medieval de Aristóteles é o elemento determinante da Filosofia Medieval. Uma de suas vertentes mais profícuas, a tradição nominalista, cujos desdobramentos nos indicam a direção da Modernidade, leva o aristotelismo a seus limites: sem abandonar o terreno aristotélico, trabalha já nos limites extremo da filosofia peripatética. Interessa-nos, em particular, justamente os pontos de tensão e (quase)-ruptura.
 

Orientações em andamento
 

Mestrado

Júlia Rodrigues Molinari
Pesquisa: Sobre Conhecimento e Evidência em Guilherme de Ockham
Agência financiadora: CNPq

Pós-Doutorado

Gustavo Barreto Vilhena de Paiva
Pesquisa: As noções de veritas e ens nas Quaestiones super Metaphysicam I-VI (ms. Escorial, h.II.1) atribuídas a Henrique de Gand (a. 1240-1293)
Agência financiadora: CNPq