Pedro Paulo Garrido Pimenta

Versão para impressão
 

lattea Curriculum lattes
 e-mail: 
 

Histórico Acadêmico 

  • 2015 Livre-docência. Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
    Título: Organismo e Finalidade na época da Ilustração 
  • 2018 Pós-Doutorado. University of Edinburgh EDINBURGH, Escócia. Bolsista do(a): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, FAPESP, Brasil.
  • 2014 Pós-Doutorado. Universidade de Paris I, Panthéon-Sorbonne, UP1, França.  Bolsista do(a): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, FAPESP, Brasil. Grande área: Ciências Humanas
  • 2005 Pós-Doutorado pela Universidade de São Paulo
  • 2002 Doutorado em Filosofia pela Universidade de São Paulo
    Título do trabalho: Imanência e finalidade na filosofia de Shaftesbury
    Orientação: Maria Lúcia Mello e Oliveira Cacciola
  • 1997 Mestrado em Filosofia pela Universidade de São Paulo
    Título do trabalho: A finitude da razão na filosofia prática de Kant
    Orientação: Maria Lúcia Mello e Oliveira Cacciola
  • Graduação em Filosofia em Universidade de São Paulo
     

Linha de Pesquisa

História da Filosofia Moderna

Pesquisas em desenvolvimento

A constituição dos saberes positivos no Século XVIII
Resumo: Trata-se de examinar a constituição de algumas ciências consagradas no século XIX, a partir do que poderíamos chamar de resíduos conceituais da filosofia da época da Ilustração, principalmente em sua vertente de inspiração empirista, isto é, formada por autores que herdam conceitos e problemas colocados por Locke no Ensaio sobre o entendimento humano (1690). Não se trata com isso de esgotar, seja quanto aos autores, seja quanto aos temas, um período riquíssimo da história da filosofia, mas de recortá-lo de acordo com as intenções que permeiam a pesquisa. Dividimos os autores escolhidos a partir de certas linhas de investigação temáticas, a serem obedecidas ao longo do projeto: 1) Hume e os escoceses (história, economia política); 2) Condillac e os Idéologues (linguagem); 3) A Enciclopédia e a história natural (fisiologia, anatomia comparada); 4) A biologia: Kant e o transcendental. Não existe a pretensão de unificar esses campos de estudo, pois tal unidade é precisamente um dos problemas a serem investigados (desconfiando-se, portanto, das asserções de Foucault e de outros a respeito). Pretende-se apenas perseguir esses temas (em grupos de estudo, em cursos e colóquios, e também na produção científica) de modo a verificar como, nos domínios a eles relativos, observa-se um mesmo movimento: de constituição de novas ciências, que herdam conceitos e problemas, mas também, e isto talvez seja o mais importante, modos de pensar estabelecidos e problematizados pela reflexão filosófica. Há relações possíveis entre as linhas de investigação sugeridas: a economia política remete à fisiologia; a linguagem, à história, e assim por diante. Essas relações, que podem parecer inusitadas, servirão para iluminar conexões nem sempre reconhecidas entre as ciências posteriormente estabelecidas a partir desses saberes.. 

Antropologia e história no Século das Luzes
Resumo: Um dos resultados mais imediatos do questionamento da metafísica como ciência, no Século das Luzes, é a descoberta ou invenção de um novo ramo do saber: as ciências humanas (também chamadas ?sociais?). O objetivo da pesquisa é investigar o modo de constituição e articulação de tais ciências a partir do exame do conflito entre história e antropologia, aquela uma disciplina tradicional que se redefine como ciência da natureza humana, esta uma disciplina nascente, que contesta os termos em que a história circunscreve seu objeto ? o homem. Tomando como ponto de partida vigorosas reflexões feitas a respeito por antropólogos contemporâneos (Lévi-Strauss, Evans-Pritchard), a pesquisa retorna ao Século XVIII e se detém no estudo de autores que se envolveram na disputa pela hegemonia do novo saber (Hume, Smith, Ferguson e outros escoceses; Rousseau, Condillac; Kant, Herder; os Idéologues), para neles encontrar a formulação de problemas até hoje pertinentes para as ciências humanas. A investigação privilegia a questão da linguagem, a partir da qual se definem, na época da Ilustração, a natureza, o alcance e os limites da nova espécie de conhecimento.. 

Orientações

Doutorado

Dario de Queiroz Galvão Neto

Eveline Campos Hauck

Hamilton Fernando dos Santos

Lara Pimentel Figueira Anastacio

Lourenço Fernandes Neto e Silva

Thiago Nantes Tedesco