Oliver Tolle

Versão para impressão

Histórico Acadêmico

  • 2018 Estágio de Pesquisa pela Academia de Ciências de Berlim/Brandemburgo
    Título da Pesquisa: Biografia e Romance Psicológico
  • 2016 Pós-doutorado pela Universidade Federal Fluminense
    Título da pesquisa: Religião e arte no jovem Hegel
  • 2008 Doutorado em Filosofia pela Universidade de São Paulo
    Título da Tese: Luz Estética: A Ciência do Sensível de Baumgarten entre a arte e a iluminação
  • 2003 Mestrado em Filosofia pela Universidade de São Paulo
  • Título da Dissertação: Tradução, seguida de introdução e notas, do capítulo Arquitetura" dos Cursos de Estética de Hegel
    Orientador: Prof. Dr. Victor Knoll
  • 1999 Graduação em Filosofia pela Universidade de São Paulo
     

Linha de Pesquisa

Estética
 

Pesquisa em desenvolvimento

Autonomia e Ornamento

Resumo: Com a consolidação do conceito de autonomia da obra de arte na segunda metade do século XVIII, tem simultaneamente lugar o esforço em estelecer uma compreensão do ornamento e do seu correto emprego como recurso de embelezamento e da sua adequada relação com objetos artísticos. Assim, em contraste com a arte, ornamento é dispositivo engenhoso com a função de tornar mais agradável o convívio com toda a sorte de produtos da atividade humana. O seu âmbito envolve uma multidão de objetos cujo denominador comum é de difícil caracterização, mas que de um modo geral obedece à regra de estar presente sempre que a beleza de um objeto não for o seu aspecto principal: elementos arquitetônicos como frontões, estátuas, colunas e suas diversas partes, molduras de quadros, organização de paisagens segundo formas geométricas ou orgânicas, entalhes em madeira, jóias de uso pessoal, recursos retóricos na literatura e pintura e assim por diante. A discussão sobre a importância do ornamento ocorre nesse período em uma série de artigos publicados em revistas da época e em manuais e catálogos de arte, encontrando seu ponto culminante com a publicação da obra de Karl Philipp Moritz Noções prévias para uma teoria dos ornamentos (1793).

Orientações em andamento


Graduação
 

Luana Moreno 
Pesquisa: A arte e a alegoria em Karl Philipp Moritz
Agência financiadora: PUB ( Programa Unificado de Bolsa - Pró Reitoria de Graduação USP)
 
Rodney Ferreira
Pesquisa: O lugar da análitica do sublime na Crítica do Juízo
Agência financiadora: S/B
 


Doutorado

Guilherme da Silva Cunha
Pesquisa: A poética como expressão estética em Nietzsche
Agência financiadora: DINTER/CAPES/USP/UFAC

Gustavo Henrique dos Santos Guimarães
Pesquisa: A estética do significado na filosofia da arte de Arthur C. Danto
​Agência financiadora: CAPES

Rosana de Oliveira
Pesquisa: Da natureza exterior ao espaço interior. Arquitetura e espaço nos Cursos de Estética de Hegel
​Agência financiadora: CNPq

Silvio Moreira Barbosa Junior
Pesquisa: A irredutibilidade da arte. Autonomia como condição de possibilidade de objetividade estética
​Agência financiadora: CAPES

Ubiratane de Morais Rodrigues
Pesquisa:  A Estética utópica do Princípio esperança (das Prinzip Hoffnung) de Ernst Bloch
​Agência financiadora: FAPEMA

Juliana Ferraci Martone
Pesquisa: Realismo e não filosofia em F. H. Jacobi
​Agência financiadora: FAPESP