Avisos da Graduação

Tema de recuperação

FLF0114 Filosofia Geral

Segue abaixo a lista dos alunos que deverão fazer recuperação com os respectivos professores:

Prof. Luís Cesar Oliva

  • Clarice Vaz de Oliveira 
  • Pedro Henrique Lopes Cardoso
  • Pedro Pessoa Micaelia

Tema de recuperação: o mesmo do trabalho final
Data da entrega: dia 06 de fevereiro de 2017 na secretaria.

 

Prof. Oliver Tolle

  • Lucas Matos de Almeida
  • Moabe Sobral da Fonseca
  • Sérgio Henrique Teijido Melo

Tema de recuperação: o mesmo tema da prova final
Data: dia 01 de fevereiro de 2017, às 19h - Sala 119

 

Prof. Valter Alnis Bezerra

  • Erich Guilherme Deschamps
  • Raony Rodrigues Bezerra Soares
  • Rafael Willian Colonia
  • Ricardo Malheiros Pinto

Tema de recuperação: 
Uma visão persistente e amplamente disseminada acerca da objetividade do conhecimento científico usualmente apóia-se nas seguintes suposições: (1) a objetividade pode ser caracterizada como independência, em algum sentido, e em alguma medida, do sujeito epistêmico; (2) a objetividade científica estaria assegurada na medida em que os produtos do conhecimento estivessem baseados nos fatos da experiência, e o processo de obtenção do conhecimento fosse neutro e guiado por um método imparcial; (3) a defesa da objetividade do conhecimento pode se apoiar, sem maiores dificuldades, na noção de um sujeito epistêmico individual.
Discuta criticamente tal visão, com base nos autores que se debruçaram sobre a questão da objetividade e que foram trabalhados ao longo da disciplina.
Data da entrega: 09 de fevereiro de 2017, poderá ser entregue por e-mail para: bezerra@usp.br

Tema de recuperação

FLF0468 História da Filosofia Medieval III
Prof. Dr. José Carlos Estêvão

O tema de recuperação:

“Portanto, é patente, desse modo, que este nome ‘homem’ e este nome ‘humanidade’ significam a essência do homem, mas de modos diversos, como foi dito: uma vez que este nome ‘homem’ significa aquela {essência} como todo, a saber, enquanto não prescinde da designação da matéria, mas contém aquela {designação} implicitamente e indistintamente, assim como foi dito que o gênero contém a diferença – eis por que este nome ‘homem’ é predicado aos indivíduos. Mas este nome ‘humanidade’ significa aquela {essência} como parte, porque não contém na sua significação senão aquilo que é do homem enquanto é ‘homem’, e prescinde de toda designação; donde {o nome ‘humanidade’} não ser predicado aos homens individuais. E em razão disso, às vezes se acha o nome ‘essência’ predicado à coisa; com efeito, dizemos que Sócrates seja certa essência; e, às vezes, isso é negado, assim como dizemos que a essência de Sócrates não é Sócrates”. Tomás de Aquino, Sobre o ente e a essência.

Data da entrega: 08 de fevereiro de 2017, na secretaria. 

 

Bolsas de iniciação científica: área de Estética e Filosofia da Arte

Prezados alunos:

Estão abertas as inscrições para duas bolsas de iniciação científica para alunos da graduação devidamente matriculados no curso de Filosofia da Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da USP para a área de Estética e Filosofia da Arte pelo projeto PROCAD-CAPES. Interessados devem se inscrever na secretaria do Departamento de Filosofia até o dia 30/01/2017, entregando currículo impresso. Não é necessário apresentar projeto. A entrevista de seleção ocorrerá no dia 01/02/2017, às 14h, na sala 1031.

 

Atenciosamente,

Prof. Dr. Oliver Tolle

Tema de recuperação

FLF0479 Filosofia Geral II
Prof. Dr. Mário Miranda Filho

Tema: Prova de recuperação   
Data da entrega: 01/02/2017 na secretaria das 9h às 18h. 

         

 RESPONDA AS SEGUINTES QUESTÕES:

 A) Nos parágrafos finais de ‘Jerusalém e Atenas’, Leo Strauss, destacando o papel missionário dos profetas bíblicos de um lado, e de Sócrates, do outro, faz uma comparação entre eles.

1)   Haja vista que cada uma dessas concepções comporta  diferentes modalidades de vida, explicite o sentido dessas diferenças e explique como Sócrates concebe a filosofia.

 

B) Na REPÚBLICA (X 607 bc), Platão atesta a existência de um antigo e persistente antagonismo entre a Poesia e a Filosofia.

1) O que aprendemos sobre este conflito na peça As Nuvens de Aristófanes?

  

C) Na República de Platão vemos a concepção de Justiça, baseada no  Ancestral, ser substituída por uma concepção filosófica.

1) tomando como exemplo o Mito de Giges,  Sócrates teria que  mostrar como, mesmo de posse do anel mágico, um Giges que aprendesse filosofia poderia se comportar de modo justo. Explique: como e porque? 

Páginas