GIOVANNI SARTO

Curso
Mestrado
Orientador
Pedro Paulo Garrido Pimenta
Título da pesquisa
Ordem e Contingência em Kant: da cosmologia pré-crítica ao homem como fim último da natureza
Resumo da pesquisa

Acompanhando o desenvolvimento interno à compreensão kantiana do conceito de contingência, situamo-nos num debate que congrega cosmologia e moral, e cujo operador conceitual é a noção de ordem. Para traçar o trajeto desses conceitos, remontamos à obra pré-crítica, em especial ao Único Argumento (1763), para depois verificar se no capítulo que encerra a última obra Crítica não se pode constatar a permanência das teses cosmológicas sustentadas desde o período pré-crítico. Tal investigação ganha interesse pois o texto do Apêndice à Crítica da Faculdade de Julgar Teleológica nos sugere uma imbricação entre a impossibilidade de a natureza comportar uma organização sistemática objetiva e o homem aparecer como único ser, no mundo, capaz de propor fins e, com isso, uma ordem própria.