MARIANA MARCELINO SILVA ALVARES

Título da pesquisa
O CONCEITO DE ANGÚSTIA EM HEIDEGGER: DA ANALÍTICA EXISTENCIÁRIA À HISTÓRIA DO SER
Resumo da pesquisa

Trata-se de examinar o tratamento do conceito de angústia em Ser e Tempo (1927) e na preleção Que é Metafísica (1929). Heidegger trata o conceito de angústia na preleção enfatizando o papel da angústia na revelação do ser. No§ 40 de Ser e Tempo, Heidegger apresenta a angústia como o encontrar-se que singulariza o ser-aí. Para Richardson, essa diferença prenuncia a chamada virada do pensamento de Heidegger. Segundo Sheehan, porém, a virada em questão trata-se de uma reorientação do projeto filosófico de Heidegger, que passa de uma perspectiva transcendental para outra, focada dessa vez na história do ser. Investigaremos, enfim, se a preleção de 1929 pode ser lida como um prenúncio dessa reorientação, fazendo-o a partir do confronto da análise da angústia na preleção e em Ser e Tempo.

Curso
Mestrado
Orientador
Eduardo Brandão
Fomento
CAPES