Vladimir Pinheiro Safatle

Afiliação acadêmica
Professor Titular
Especialização
Teoria das Ciências Humanas
E-mail
vsafatle@yahoo.com

Formação Acadêmica

  • 2009 Professor Associado 2009 da Universidade de São Paulo
    Título: Grande Hotel Abgrund
  • 2002 Doutorado em Filosofia (Lieux et transformations de la philosophie) na Université de Paris VIII, França.
  • Título: A paixão do negativo: modos de subjetivação e dialética na clínica lacaniana
    Supervisor: Prof. Alain Badiou
  • 1997 Mestre em Filosofia pela Universidade de São Paulo
    Orientador: Prof. Bento Prado de Almeida Ferraz Júnior
  • Título: O amor da superfície: Jacques Lacan e o aparecimento do sujeito descentrado
  • 1994 Bacharelado em Filosofia pela Universidade de São Paulo
  • 1994 Bacharelado em Comunicação Social na Escola de Propaganda e Marketing

Pesquisa atual

A dissidência do reconhecimento: estudo sobre a articulação entre política e psicanálise em dois modelos de recuperação do conceito hegeliano de anerkennung
Os últimos vinte anos de debate filosófico e social viram a hegemonia do conceito de reconhecimento como o operador central para a compreensão da racionalidade das demandas políticas. Recuperado, pela primeira vez na década de 1930, por meio das leituras hegelianas de Alexander Kojève, o conceito só foi explorado sistematicamente em sua própria dimensão política a partir do início dos anos 90, especialmente pela terceira geração da Escola de Frankfurt (Axel Honneth). Esta segunda recuperação foi, no entanto, uma operação peculiar de reintegração. Era como se o aspecto francês do debate tivesse que ser amplamente ignorado para que o conceito pudesse encontrar a força política certa. Deve-se questionar, entretanto, se esse silêncio seria realmente para expressar a consciência muda de dois desdobramentos possíveis do mesmo conceito da matriz hegeliana. Mas, para analisar essa hipótese, devemos expor as possibilidades políticas inexploradas da recuperação francesa do conceito de reconhecimento. Este é o primeiro objetivo desta pesquisa. Aqui, gostaria de me concentrar em sua matriz lacaniana para entender que é particularmente fecunda para tal discussão. Por outro lado, uma operação dessa natureza, para não se reduzir a um exercício de correção da historiografia conceitual, deve partir da exposição dos limites da real força política de transformação social presente na recuperação frankfurtiana de uma teoria do reconhecimento. Isso é desenvolvido principalmente por Axel Honneth. Ou seja, seria justificado por fornecer um modelo crítico aos usos contemporâneos do conceito de reconhecimento, mostrando suas limitações, mas aceitando a relevância do conceito como operador de compreensão da racionalidade das demandas políticas contemporâneas. Este é, portanto, o segundo objetivo desta pesquisa..