[MINICURSO] Eugen Fink e o projeto de uma fenomenologia meôntica

Dados do Evento
ANNA LUIZA COLI
(Charles University Prague – Núcleo de Pesquisa em Fenomenologia/UEL)
Datas: 30/09, 02/10, 07/10 e 09/10 às 14h00

1a. semana: 30/09 e 02/10 (quarta e sexta)
2a. semana: 07/10 e 09/10 (quarta e sexta)
Horário: das 14h às 16h
 

Coordenação: Marcus Sacrini e Alex de Campos Moura

Org.: GRUPO DE ESTUDOS DE FENOMENOLOGIA DF-USP E NÚCLEO DE PESQUISA EM FENOMENOLOGIA/UEL

 

Informações importantes

- Para participar é necessário se inscrever no formulário abaixo. Inscrições até 25/09/2020.

- O evento será realizado por meio de videoconferência e o(s) link(s) para o acesso será(ão) disponibilizado(s) nesta mesma página ou via e-mail para os inscritos até o dia do evento.

 

Demais dados

O objetivo do minicurso é o de introduzir o pensamento do filósofo alemão Eugen Fink a partir do diálogo direto com a fenomenologia de Husserl, de quem foi o último assistente e colaborador. O projeto filosófico de Fink desse período, bastante atrelado ao projeto da fenomenologia husserliana como um todo, pode ser pensado sob a fórmula de uma “fenomenologia meôntica”. Em linhas gerais, esse projeto nasce de uma leitura radicalmente crítica da base metodológica da fenomenologia transcendental, principalmente do conjunto das Meditações Cartesianas de Husserl, mas igualmente crítico – e não menos devedor – da analítica do Dasein e da ontologia fundamental heideggeriana. O minicurso tem como foco os fundamentos dessa proposta renovadora da fenomenologia, que influenciou importantes fenomenólogos da segunda geração, principalmente na França, como Merleau-Ponty, Derrida e Lyotard. Para tanto, vamos focar na leitura da tese de doutorado de Fink, Presentificação e Imagem, sempre que possível reconstruindo o contexto do debate tanto com Husserl quanto com Heidegger para então, num momento final do minicurso, apresentar as linhas gerais desse projeto fenomenológico sob a forma de uma filosofia meôntica.